Follow by Email

sábado, 30 de novembro de 2013

Geleira no Alasca revela floresta perdida há mais de mil anos

Geleira no Alasca revela floresta perdida há mais de mil anos



Uma floresta perdida com mais de mil anos de existência foi descoberta recentemente dentro de uma geleira do Alasca, por um grupo de pesquisadores do estado norte-americano. Entre as árvores presentes no ecossistema, há espécies muito antigas, cujos troncos e raízes permaneceram conservados pela ação do congelamento, provavelmente comprometido com o aumento das temperaturas no planeta.
O primeiro registro de que alguns galhos e troncos de árvores estavam saindo da geleira de Mendehall foi realizado há mais de 50 anos, despertando interesse na comunidade científica. No entanto, foi só no ano passado que os pesquisadores da Universidade do Sudeste do Alasca decidiram aprofundar os estudos, observando uma grande quantidade de árvores antigas em posição vertical.
Entre as espécies que formam a vegetação da floresta congelada, os pesquisadores acreditam que estejam listados os abetos – coníferas muito comuns em regiões frias e temperadas da América do Norte e da Europa – e a cicuta, planta nativa da região, mas os estudos ainda precisam ser aprimorados.

Foto: Jamie Bradshaw/UAS
Para Cathy Connor, professora responsável pelo estudo, o congelamento é encarado como um fator aliado às pesquisas, permitindo mais detalhes sobre as características da vegetação da floresta milenar. “Podemos analisar as cascas das árvores e voltar no tempo para saber a idade que elas têm”, declarou Cathy ao site LiveScience.
Por meio dos estudos, a equipe também identificou que, primeiro, a floresta se desenvolveu, e, posteriormente, a área da geleira tomou conta das árvores. Logo depois, a formação de gelo voltou a se expandir, cobrindo não só a vegetação, mas também o solo, composto por uma grande quantidade de cascalho, que acabou servindo como uma espécie de tumba de gelo.
Recentemente, uma floresta perdida foi descoberta em Moçambique por um cientista britânico, que reconheceu o local pelo Google Earth. Chamada de Monte Mabu, a floresta nunca foi explorada e nem retratada anteriormente em coleções científicas e literárias, assim como a formação vegetal encontrada na geleira do Alasca.
Redação CicloVivo

Aposentadoria: melhor planejar antes que seja tarde demais

0comentários
Aposentadoria: melhor planejar antes que seja tarde demaisVocê já está preparado para o dia em que vai parar de trabalhar? Entre os mais jovens, o assunto nem sequer é cogitado. Adoro insistir nesta questão: um dos temas que merece ser tratado pelo brasileiro de forma mais prioritária e pró-ativa é o planejamento para a aposentadoria. Grande parte de nossa população ainda trabalha com a ideia de que o governo irá cobrir os gastos e necessidades com a aposentadoria oficial.
É hora de acordar desse sonho paternalista! A realidade é outra, e há muito tempo. Os aposentados de hoje já enfrentam diversos problemas para manter o padrão de vida que possuíam antes da aposentadoria, com estatísticas estarrecedoras: apenas 1% consegue se manter com os benefícios que recebem, segundo dados do IBGE.
A Previdência Oficial já possui inúmeros problemas de gestão e déficits. A verdade é que o brasileiro que sonha em se aposentar usando apenas o INSS se dará muito mal no futuro. É questão de tempo: uma nova reforma que levará a maior tempo de contribuição e redução no valor dos benefícios deverá entrar na pauta de algum governo mais sério. Já se discute inclusive uma possível cobrança dos inativos.
Por que planejar a aposentadoria?
Durante o período de aposentadoria, as pessoas possuem necessidades e gastos especiais. Vivendo mais e com mais qualidade de vida, é natural que as pessoas tenham mais gastos com saúde, para ficar em um exemplo óbvio. Um item caro e indispensável, até porque a situação da saúde pública não ajuda.
Desta forma, a saída para o futuro é programar uma aposentadoria complementar. Não no sentido específico ligado aos produtos de previdência privada, mas no sentido amplo, da ideia de uma previdência que complemente o benefício oficial e seja construída aos poucos, através de investimentos constantes durante boa parte da vida.
Durante a semana enquanto, me preparava para escrever este artigo, tive a oportunidade de acompanhar a coluna diária da jornalista Mara Luquet para a rádio CBN onde ela descreve, em sua opinião, os 5 passos importantes para alcançar uma aposentadoria de sucesso:
1. O melhor investimento para o filho é aquele que garante a aposentadoria dos pais. É natural nos preocuparmos com o futuro dos nossos filhos. Eu sou pai e também quero o melhor pra minha filha, mas se pensarmos friamente, é muito comum ver exemplos de filhos que precisam pagar as contas dos pais. Garantir um futuro melhor pra você pode significar a liberdade que seu filho precisará no futuro para desenvolver sua própria vida, sem preocupações.
2. Como iniciar o plano de investimento para aposentadoria sem dinheiro? Fazendo disso uma prioridade. Pague-se primeiro. É aquela velha ideia de guardar no banco “o que sobrar das despesas do mês”. Nunca sobra nada, o depois não existe quando há tanto apelo de consumo. Logo, isso não funciona. Pagar-se primeiro é priorizar sua aposentadoria e seu futuro.
3. Conheça o mercado de ações (antes de se aposentar e durante). O mercado de ações brasileiro está em desenvolvimento. Ainda temos poucos investidores e poucas empresas com ações listadas na bolsa de valores. Todos acreditamos que existe um potencial enorme para ser aproveitado – a BM&F Bovespa trabalha com uma meta de 5 milhões de investidores até 2015 (hoje somos menos de 600 mil). Destinar uma parte dos investimentos para o mercado de ações, de forma “consciente”, estudando e conhecendo o mercado poderá turbinar os ganhos para a aposentadoria.
4. Atenção aos custos e taxas das aplicações. A taxa de administração, por exemplo, ao longo dos anos pode sugar boa parte de sua rentabilidade. Vale lembrar também a importância de definir o investimento ideal para seu perfil, afinal alguns investimentos variam taxas e impostos de acordo com o tempo da aplicação. Na prática, se você acredita que pode precisar do dinheiro aplicado em pouco tempo, prefira opções com boa liquidez e baixo risco (renda fixa). Do contrário, use a renda variável (ações, opções etc.).
5. Fique de olho na inflação e faça as contas. Atenção ao ganho real. É muito comum vermos as pessoas usando simuladores para projetar os investimentos e seus ganhos, mas sem considerar a inflação tanto nas correções dos aportes quanto no poder de compra. É preciso entender que R$ 100 mil daqui dez anos não comprarão o mesmo que R$ 100 mil compram hoje. Olhe de forma concreta para sua carteira de investimentos: é fundamental trabalhar com a projeção de inflação (sim, a economia do Brasil permite isso) e com o ganho real.
Esses são alguns itens que precisam ser lembrados na hora de planejar sua aposentadoria. Que tal começar a trabalhar em prol de uma vida futura mais recheada de prazeres e menos trabalho? O primeiro passo é justamente perceber a necessidade real e imediata de colocar esse tema no seu cotidiano. O Dinheirama está repleto de material que pode ajudá-lo nessa tarefa.

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

A mancha da discórdia

DESASTRE AMBIENTAL

A mancha da discórdia

Secretarias do GDF e empresa divergem sobre a origem do óleo que poluiu o Paranoá

-  A  A  +
Ullisses Campbell

Joédson Alves


Duas semanas depois de descoberta uma enorme mancha de óleo nas águas do Paranoá, há apenas uma certeza. E ela é positiva: o acidente não representou um desastre ambiental de grandes proporções. Os três km² de produtos químicos que cobriram uma área do lago próxima ao Iate Clube no último dia 16 deixaram como vítimas oficiais dois peixes e um quero-quero, além de duas tartarugas que tiveram o casco tingido. "A parte poluída é 100% recuperável, pois esse material não chegou ao fundo", afirma o secretário de Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Eduardo Brandão.


No que diz respeito às causas do dano ambiental, no entanto, faltam explicações conclusivas e sobram trocas de acusações. As autoridades responsáveis pelos setores envolvidos entraram em um jogo de empurra-empurra que não ofereceu respostas convincentes à população.



Logo de início, apareceram duas hipóteses para a origem do transtorno. Uma das suspeitas indicava como fonte do material poluente o combustível usado nas caldeiras do Hospital Regional da Asa Norte (HRAN). A outra tentativa de explicação apontava as obras de recapeamento na Asa Norte, parte do programa do GDF batizado de Asfalto Novo.



Em vez do aguardado esclarecimento, o que veio à tona foi uma briga de laudos com resultados confusos e contraditórios. O primeiro documento oficial, produzido pelo Instituto de Química da Universidade de Brasília (UnB) no dia 27, concluiu que o óleo encontrado nas águas era idêntico ao combustível usado nas caldeiras do hospital. Seguindo essa linha, a substância poluente teria escorrido pelo duto de esgoto até as águas do lago.



Com base no laudo da UnB, a Secretaria de Meio Ambiente do Distrito Federal lavrou uma multa de 280 mil reais para a Secretaria da Saúde, órgão ao qual se subordina o HRAN. Poucos dias depois, porém, o professor da universidade que assinou o laudo, Paulo Anselmo Suarez, relativizou as conclusões de sua análise. "Não posso afirmar com precisão a origem do produto porque o recolhimento das amostras foi feito pelo governo e não pelo laboratório", disse.



Em um primeiro momento, o secretário da Saúde, Rafael Barbosa, declarou que repassaria a multa para a empresa Técnica Construção Civil e Serviços em Geral, encarregada de operar as duas caldeiras do hospital. Como o laudo da UnB deixou dúvidas, o subsecretário de Logística e Infraestrutura da Secretaria da Saúde, Pedro Cardoso, subordinado a Barbosa, anunciou que buscaria novas explicações para o acidente. "Vamos fazer outros laudos, inclusive em universidades de São Paulo, para saber, de fato, a origem desse óleo. Se houvesse um vazamento de tal porte, as caldeiras parariam e o hospital deixaria de funcionar", afirmou Cardoso.



A empresa responsável pelas caldeiras do HRAN também resolveu questionar a análise feita pela UnB. Apresentou, então, um segundo laudo no dia 30, elaborado por técnicos de um laboratório privado. Esse documento afirma que a mancha de óleo do lago contém solventes usados no asfaltamento das ruas. E eles não estariam presentes no combustível utilizado nas máquinas do hospital.



A conclusão de que a sujeira saiu do recapeamento do asfalto foi rejeitada pela cúpula do GDF. Questionado por VEJA BRASÍLIA sobre a possibilidade de chuvas fortes terem levado componentes do material asfáltico para o lago, o governador Agnelo Queiroz (PT) demonstrou irritação. "Não resta a menor dúvida de que a mancha veio do HRAN, tanto que estou providenciando a substituição das caldeiras movidas a óleo por outras mais modernas", disse Queiroz.



Aqui, cabe uma contextualização. O programa Asfalto Novo prevê o recapeamento de metade da malha rodoviária do DF, ao custo total de 770 milhões de reais. Trata-se de uma das maiores vitrines eleitorais para a campanha de reeleição de Queiroz no ano que vem. Sob esse ponto de vista, a notícia de que o óleo que sujou o lago escorreu das obras da Asa Norte não interessa ao governador.



A versão aceita pelo político tem outro defensor dentro do GDF. Para Nilson Martorelli, presidente da Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap), estatal que gerencia o Asfalto Novo, não há a menor hipótese de que o óleo tenha saído das obras. Na opinião de Martorelli, nem vale a pena discutir o assunto. "Não nos interessa mais polemizar se o óleo saiu daqui ou dali. O que importa é que estamos tomando todas as providências para limpar o lago e as galerias que ainda contêm óleo impregnado", afirma.



Embora os estragos provocados pelo vazamento sejam aparentemente pequenos, a descoberta das causas do acidente tem importância maior do que a revelada na fala de Martorelli. Afinal, se o problema não for corrigido, outros episódios mais graves poderão acontecer.



De positivo, pode-se concluir que o caso serviu para revelar como é precário o sistema de aquecimento de água não apenas do HRAN, mas também de outros nove hospitais públicos do DF. Fabricadas há trinta anos, suas máquinas funcionam precariamente até 24 horas por dia. Na quarta-feira, 30/10, o engenheiro Valdo Vidal, responsável pelas caldeiras do HRAN, deu entrevista com a roupa toda suja de óleo. "Aqui tem vazamento todos os dias porque as máquinas são velhas", disse. 



Mesmo assim, ele garante que não houve um derramamento que pudesse percorrer três quilômetros até chegar ao Paranoá. Ainda de acordo com o engenheiro, esse tipo de óleo, conhecido como BPF, só escorreria por uma distância tão longa se estivesse a uma temperatura superior a 60 graus. Proprietário da Técnica, empresa que terceiriza o serviço nos dez hospitais, Jair Rodrigues da Costa diz que gostaria de desistir desse negócio, mas não consegue por se tratar de um serviço essencial. Ele já foi multado em 63 mil reais por outro vazamento, ocorrido no ano passado. "Essas máquinas só me trazem dor de cabeça e prejuízo. São uma bomba-relógio prestes a explodir", alerta.

AS DUAS VERSÕES DE UMA MESMA HISTÓRIA


No Paraná, cidade vai gerar energia elétrica com fezes de porco

No Paraná, cidade vai gerar energia elétrica com fezes de porco



 O  município Entre Rios do Oeste, no Paraná, pretende gerar toda a eletricidade que consome usando esterco de porco com a construção de uma usina de energia movida a metano. O objetivo é concluir o projeto em um ano e meio.
Segundo informações da Folha, o projeto já tem R$ 19 milhões para ser iniciado no começo de 2014. A empresa que vai desenvolver o sistema é a distribuidora de energia Copel.
Usina
A usina vai ser interligada com as propriedades que criam suínos via rede de gasodutos.
O material será jogado pelos produtores em um biodigestor, onde as bactérias geram o metano, que será levado para a rede de gasodutos.
Poluição
reportagem da Folha afirma que a população de porcos de Entre Rios do Oeste produz de esgoto, o equivalente a uma população de mais de 500 mil habitantes. O material é despejado nos rios da região.

Igreja é responsável solidária por crimes de padre

Igreja é responsável solidária por crimes de padre

A responsabilidade civil, em regra, é individual e cabe a quem teve conduta ilícita, causando dano à outra parte. No entanto, a depender da relação jurídica do caso, o responsável pelo dano e o que teoricamente seria um terceiro, deve ser estabelecida a responsabilidade solidária. Por entender que a relação de preposição permite a responsabilização solidária, a 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça rejeitou Recurso Especial da Mitra Diocesana de Umuarama e manteve sua condenação por conta do abuso de menores cometido por um padre a ela vinculado.
Com isso, a Mitra terá de dividir com o padre a indenização de R$ 100 mil a um homem que foi vítima dos abusos. Relatora do caso, a ministra Nancy Andrighi apontou que, de acordo com Sérgio Cavalieri Filho, o preposto “é aquele que presta serviço ou realiza alguma atividade por conta e sob a direção de outrem”. Além disso, o preposto recebe ordens de um proponente, configurando assim uma relação de subordinação criada de forma voluntária, segundo Cavalieri Filho, sendo este o aspecto que a difere de uma relação entre pai e filho, por exemplo.
Nancy Andrighi citou também o entendimento do STJ de que o conceito de preposição já foi ampliado para além das relações de trabalho, pois não é necessário um contrato, apenas a relação de dependência ou que alguém preste serviço sob o interesse e o comando de outra pessoa ou instituição. No caso envolvendo a mitra de Umuarama (PR), afirmou ela, as atividades que permeavam a relação, como ordens, diretrizes e normas, “são características da vida religiosa com mais de um milênio de tradição, não por delegação, e sim por voto espiritual e mera administração da paróquia”, como indicou nos autos a própria mitra.
Isso, disse a relatora, comprova que existia uma relação voluntária de dependência entre o padre e a entidade religiosa, com o primeiro recebendo ordens da segunda parte e estando submetido ao seu poder de direção e vigilância. Assim, continuou Nancy Andrighi, torna-se ainda mais reprovável a conduta do padre, que foi condenado por abusar de fieis. A ministra rejeitou a alegação, feita pela mitra de Umuarama, de que o religioso “era simplesmente vocacionado que desempenhava seu serviço voluntário exclusivamente pela obediência espiritual”.
Para ela, é mais correto definir o padre como “era, como dito, um servente da Diocese, em cuja pureza acreditava a sociedade justamente porque lhe fora apresentado pela Instituição como legítimo conhecedor e seguidor da fé cristã de que é discípula. Como a possibilidade de que o religioso cometesse o crime está diretamente ligada à função que exercia, está correta a necessidade de que a outra parte da relação em que o padre era preposto arque com a indenização às vítimas.
A relatora conclui seu voto informando que tal solução é adequada, uma vez que os sacerdotes normalmente são pessoas de poucas posses, que normalmente não possuem o volume financeiro necessário para a indenização por seus atos.

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Erupção vulcânica forma pequena ilha ao sul do Japão

Erupção vulcânica forma pequena ilha ao sul do Japão

Com 200 metros de largura, nova ilhota foi registrada nesta quinta-feira (21) na costa do pequeno arquipélago de Ogasawara, no distrito de Tóquio

AGÊNCIA EFE


Intensa erupção vulcânica formou uma nova e pequena ilha na costa de Nishinoshima, ao sul do Japão. Seu surgimento foi registrado nesta quinta-feira (21) pela Guarda Costeira japonesa (Foto: AP Photo/Kyodo News)
A nova ilhota tem aproximadamente 200 metros de largura e fica ao sudeste da desabitada ilha vulcânica de Nishinoshima, que pertence ao pequeno arquipélago de Ogasawara, no distrito de Tóquio.Trata-se da primeira erupção que acontece perto de Nishinoshima em cerca de 40 anos, depois que a ilha cresceu entre 1973 e 1974, também devido à intensa atividade vulcânica. 
A Agência Meteorológica do Japão emitiu um comunicado pedindo às embarcações locais que navegam pela região que fiquem alertas e evitem serem atingidos pelas rochas expelidas pelo vulcão ou pelas intermitentes explosões que, segundo o órgão, devem continuar a ocorrer intensamente pelos próximos dias. 
Imagens impressionantes feitas pela emissora de televisão japonesa "NHK" e gravadas pelo serviço japonês de guarda costeira mostram como uma coluna de fumaça branca de cerca de 600 metros se une com uma nuvem de cinza negra provocada pelas violentas explosões geradas no interior do vulcão. Confira as imagens abaixo:


A nova ilhota formada na costa de Nishinoshima, ao sul do Japão, tem apresentado atividade vulcânica intensa (Foto: AP Photo/Kyodo News)
Atividade vulcânica forma nova ilha ao sul do Japão (Foto: AP Photo/Kyodo News)
NT

Você está poluindo (19%) mais

Você está poluindo (19%) mais

O Brasil começou a queimar mais carvão, óleo diesel e gás natural. Isso significa que, sem mudar nada na sua vida, você já está emitindo mais CO2

por Lorena Verli e Bruno Garattoni
O Brasil sempre se orgulhou de gerar energia limpa. Mas nos últimos anos, esse cenário mudou um pouco. Isso porque o governo investiu em usinas termelétricas, que são mais baratas e rápidas de construir, mas possuem uma grande desvantagem - como são movidas a carvão, gás ou derivados de petróleo, emitem muito mais CO2 que as hidrelétricas (que geram uma quantidade pequena desse gás, vindo do apodrecimento de plantas nas regiões alagadas pela usina). Resultado: hoje, a eletricidade que você usa na sua casa gera aproximadamente 19% mais CO2 do que há dez anos atrás . "Se o Brasil tivesse um ano com poucas chuvas, os apagões seriam constantes. Daí a necessidade de investir em outras formas de produzir energia", diz Guilherme Dantas, do Grupo de Estudos do Setor Energético da UFRJ.
Para diminuir o impacto das termelétricas, em 2009 entrou em vigor uma norma que obriga novas usinas a óleo ou carvão a compensar 25% de suas emissões plantando árvores (ou financiando projetos de energia limpa).

Defendida criação de depósitos para resíduos da construção civil


Defendida criação de depósitos para resíduos da construção civil

Programa

Luanda - O engenheiro Agostinho da Silva defendeu hoje (terça-feira), em Luanda, a criação de áreas adequadas para a deposição de entulho, com vista a evitar-se o abandono dos resíduos da construção em locais inapropriados.
"O país está em crescimento em termos de construção e o entulho gerado nas obras é muito significativo e pode servir como indicador do desperdício de material, daí a importância de áreas apropriadas para o descarte de resíduos vindo das empreitadas", disse.
Em declarações à Angop, o engenheiro disse que os impactos deste processo são visíveis e o acúmulo de inertes de construção em áreas urbanas produz impacto visual, compromete a qualidade do solo para uso em jardinagem, bem como serve de abrigo para vectores de doenças.
A acumulação de resíduos das construções, de acordo com ele, pode ainda afectar o tráfego de veículos e pedestres, comprometendo a qualidade ambiental do espaço urbano.
Para Agostinho da Silva, há ainda o potencial poluidor de materiais tóxicos presentes nos entulhos como chumbo e outros metais presentes em tubulações antigas e tintas, pelo que a sua deposição em aterros ou terrenos baldios pode favorecer a contaminação do solo e do lençol freático.
Indicou que a eliminação e mitigação destes impactos vão além da criação de "bota-fora", que são aterros localizados em pontos distantes de uma cidade e que, na sua maioria, são focos dos problemas supra-citados.
Diante destes fatos, segundo o especialista, é possível concluir a necessidade de uma intervenção que aponte para o traçado de novos métodos para a gestão pública de resíduos de construção civil e demolição.
Fez saber que outro factor de grande relevância é a influência dos resíduos da construção civil nos aterros sanitários que, de acordo com ele, pode reduzir a vida útil dos aterros.
"É importante e urgente que as autoridades encontrem novas áreas para disposição dos resíduos, por forma evitar a degradação do meio ambiente", explicou.

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Cientista descobre floresta perdida com ajuda do Google



Evidentemente a tecnologia já fez maravilhas pela humanidade... E deve continuar fazendo, pelo menos se depender do Google. Foi justamente com a ajuda do recurso Google Earth, que o intrépido cientista e explorador Julian Bayliss acaba de encontrar uma floresta “perdida”, que abriga mais de 12 “novas” espécies, no coração de Moçambique.
A paisagem é bela. Entre montanhas misteriosas e densa floresta tropical virgem, há também o que o The Guardian classificou como um “oceano de ouro do cerrado”. Segundo o cientista, além do isolamento ecológico pela savana circundante, a floresta está intocada por acontecimentos políticos, incluindo a guerra civil que arrasou parte do país africano entre 1977 e 1992.
Outras pesquisas revelaram que o Monte Mabu, como está sendo chamado o local, nunca foi mapeado, explorado, ou mesmo retratado nas coleções científicas e literárias em qualquer lugar do mundo. 

Japão anuncia corte drástico de meta de redução de gases de efeito estufa

País tinha prometido reduzir suas emissões em 25% entre 1990 e 2020.
Nova meta é reduzir apenas 3,8% das emissões entre 2005 e 2020.

Da AFP
3 comentários
Foto mostra congestionamento de veículos em Tóquio nesta sexta-feira (15). (Foto: AFP Photo/Toru Yamanaka)Foto mostra congestionamento de veículos em Tóquio nesta sexta-feira (15). (Foto: AFP Photo/Toru Yamanaka)
"O Japão havia prometido reduzir suas emissões de gás que provoca o efeito estufa em 25%, entre 1990 e 2020, mas isso não tinha fundamento" - afirmou o porta-voz do governo, Yoshihide Suga.
O governo japonês decidiu, nesta sexta-feira (15), cortar drasticamente sua meta de redução de gases causadores do efeito estufa.
"Decidimos abandonar esse objetivo e apontar para uma redução de 3,8% entre 2005 e 2020", o que equivale a um aumento de 3% em relação ao nível de 1990 - segundo os cálculos da imprensa japonesa.
Essa nova meta deve ser anunciada na próxima semana pelo ministro japonês do Meio Ambiente na Conferência sobre o Clima da ONU, a COP 19. A cúpula vai até 22 de novembro, em Varsóvia, na Polônia.