Follow by Email

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Enquanto houver pobreza, o Brasil não terá uma boa educação

Enquanto houver pobreza, o Brasil não terá uma boa educação


Em seminário sobre estratégias para superar as desigualdades na educação brasileira, o professor americano Martin Carnoy defendeu que é preciso acabar com a pobreza para melhorar a educação Beatriz Souza Exame.com 


Germano Lüders/EXAME.com

Enquanto houver crianças pobres frequentando as escolas brasileiras, o sistema educacional do país não irá atingir um nível de excelência. A afirmação é de Martin Carnoy, professor da Escola de Educação de Stanford, que é categórico ao afirmar que todo o dinheiro do mundo não será suficiente para melhorar sistema educacional a menos que haja uma mudança profunda na sociedade brasileira.


Pesquisador da educação brasileira desde os anos 1960, Carnoy falou nesta quarta-feira a uma plateia de professores e profissionais ligados ao setor de educação em um seminário promovido pelo Centro Lemann para o Empreendedorismo e Inovação na Educação Brasileira. Com base em suas pesquisas, o professor afirmou que o país não poderá ter um bom sistema educacional público antes de que o problema da pobreza seja resolvido.



"Quanto mais crianças pobres, pior o sistema", disse Carnoy. Ele explica que a educação é puxada pela parte inferior, e não pelos exemplos de sucesso, isto é, nivelada por baixo. Além disso, ao contrário do que é comumente defendido, Carnoy acredita que a pobreza não vai ser resolvida pela educação, porque esse é o caminho mais caro.



"Não é barato resolver o problema da pobreza de um país pela educação, é preciso começar logo na educação infantil, quando a criança tem 3 anos de idade, com um ensino estimulante e de extrema qualidade", explica. Ele defende que o melhor caminho é o das mudanças na sociedade como um todo, oferecendo melhores condições de saúde, nutrição e segurança, por exemplo.



"Os sistemas educacionais estão profundamente mergulhados e conectados com as sociedades em que estão inseridos. Se a sociedade vai mal, a educação vai também", afirma o professor. Ele é categórico: mudanças fundamentais na educação precisam ser puxadas por mudanças profundas na sociedade.



O uso da tecnologia, tão aclamado como a solução para todos os problemas, também é colocado em uma posição secundária por Carnoy. "Não há tecnologia que substitua um bom professor e não há um bom sistema educacional sem bons professores", encerra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo sua participação e opinião !