Follow by Email

terça-feira, 31 de maio de 2016



A Mata Atlântica é a casa da maioria dos brasileiros. Nela vivem mais de 145 milhões de pessoas em 3.429 munícipios. 
Mas não é só! As florestas são a morada de centenas de outras espécies, além de garantir água e ar limpos. 
São também importantes para a saúde do solo, para o lazer e para a economia.
Descubra a mata perto de você.
Saiba mais pelo site: http://aquitemmata.org.br/#/

Lula na posse de Dilma; abaixo reprodução do Jornal Nacional
Lula na posse de Dilma; abaixo reprodução do Jornal Nacional


Segundo José Sarney, o ex-presidente Lula, "chorando", lhe disse que o único arrependimento foi ter eleito Dilma. Sim, é natural, mas o motivo, embora ele não fale abertamente, é que esperava que Dilma ao final do primeiro mandato lhe devolvesse o bastão, ou seja, não fosse candidata à reeleição. Quando Lula se reelegeu em 2006, Dilma era, como se diz na política, um poste. Lula imaginou que por ela não ter apreço pelo trato político cumpriria o seu mandato e deixaria o caminho livre para sua volta triunfal. Mas ela tomou gosto pelo cargo. Depois é a história que estamos acompanhando. Talvez se Lula tivesse sido o candidato em 2014, e certamente se elegeria, não tivesse sido afastado, aliás bem provável. Mas há dois fatos inquestionáveis. Assim como Dilma, Lula estaria hoje com um processo de cassação da chapa no TSE por caixa dois na campanha, assim como teria cometido as mesmas pedaladas fiscais. E tem a Lava Jato, que começou em março de 2014. Lula certamente tentaria interferir nas ações da Polícia Federal, mas não controlaria o MPF nem o juiz Sérgio Moro. Quanto ao arrependimento de Lula agora não adianta chorar. 

FONTE BLOG DO GAROTINHO

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Escassez de água pode limitar crescimento econômico nas próximas décadas, diz ONU

·         Publicado em 22/03/2016
América Latina está particularmente vulnerável, uma vez que a maior parte de suas economias é dependente de matérias-primas; setores como mineração e agricultura são intensivos no uso de água.

Relatório da UNESCO apontou efeitos da escassez e do mau uso dos recursos hídricos para as economias dos países. Foto: EBC.
Relatório da UNESCO apontou efeitos da escassez e do mau uso dos recursos hídricos para as economias dos países. Foto: EBC.
Três em cada quatro empregos do mundo são forte ou moderadamente dependentes de água, segundo estimativa de relatório das Nações Unidas publicado nesta terça-feira (22), na ocasião do Dia Mundial da Água.
Consequentemente, a escassez e os problemas de acesso à água e ao saneamento podem limitar o crescimento econômico e a criação de empregos no mundo nas próximas décadas, de acordo com o documento, que citou a falta de investimentos em infraestrutura e os altos índices de vazamentos nos sistemas hídricos das cidades globais, inclusive de países desenvolvidos.
Segundo o “Relatório Mundial das Nações Unidas sobre Desenvolvimento dos Recursos Hídricos, Água e Emprego”, metade dos trabalhadores do mundo – 1,5 bilhão de pessoas – está empregada em oito indústrias dependentes de recursos hídricos e naturais: agricultura, silvicultura, pesca, energia, manufatura intensiva de recursos, reciclagem, construção e transporte.
“A água e o emprego estão indissociavelmente ligados em vários níveis, quer seja na perspectiva econômica, na ambiental ou na social”, disse a diretora-geral da UNESCO, Irina Bokova.
A América Latina e o Caribe estão particularmente dependentes da água na criação de empregos, porque a maior parte de suas economias é ligada à exploração de recursos naturais, como mineração e agricultura (incluindo biocombustíveis). Em países como Brasil, Argentina, Chile, México e Peru, a irrigação também é responsável por uma parte importante da produção agrícola, particularmente para exportação.
“Apesar de a região (América Latina e Caribe) ter cerca de um terço da provisão de água no mundo, o uso intenso desse recurso em suas economias e sua dependência dos recursos naturais e dos preços internacionais das matérias-primas impõem importantes desafios para o crescimento econômico e a criação de empregos”, disse o relatório.
“As secas são frequentes na região. Secas severas podem levar a um aumento do desemprego, particularmente entre a população rural”, completou.
Segundo o relatório, os efeitos da escassez de água já puderam ser verificados em casos como o da cidade de São Paulo, cuja economia foi prejudicada em 2014 e 2015 pelas frequentes enchentes e secas severas.

Pressão crescente

O relatório citou o problema da crescente pressão sobre os recursos de água potável no mundo, exacerbado pelos efeitos das mudanças climáticas.
Enquanto a taxa de extração de águas subterrâneas cresce a 1% ao ano no mundo desde 1980, a população global deverá crescer 33% (de 7 bilhões para 9 bilhões de pessoas) entre 2011 e 2050, junto com um aumento de 60% da demanda por alimentos.
A expectativa é que, para cada grau de aquecimento global, aproximadamente 7% da população mundial enfrente uma diminuição de quase 20% dos recursos hídricos renováveis, segundo avaliação do Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática (IPCC).
O relatório da ONU apontou também forte ineficiência da infraestrutura de gestão de recursos hídricos dos países. A estimativa é que, globalmente, 30% da extração de água seja perdida em vazamentos. Em Londres, a taxa é de 25%, e na Noruega, de 32%.
“Essa projeção de escassez de água exigirá recursos hídricos não convencionais, como aproveitamento de águas pluviais, águas residuais recicladas e drenagem urbana”, disse o relatório. “O uso desses recursos hídricos alternativos criará novos empregos no desenvolvimento de pesquisas e tecnologias e na implementação de seus resultados.”
A expectativa é que outra fonte crescente de empregos sejam as energias renováveis. Segundo o relatório, em 2014, em torno de 7,7 milhões de pessoas no mundo foram empregadas (direta ou indiretamente) pelo setor, sendo que o segmento de energia solar foi o que mais empregou, com 2,5 milhões, seguido pelos biocombustíveis, com 1,8 milhão.
“A crescente criação de empregos foi notada em todos os tipos de energias renováveis”, disse o relatório, afirmando que os países que mais empregaram nesse setor foram China e Brasil, seguidos por Estados Unidos, Índia, Alemanha, Indonésia, Japão, França, Bangladesh e Colômbia.
A reciclagem também é citada como uma nova fonte de ocupação e uma contribuição importante para reduzir a demanda global por produtos manufaturados. Contudo, o documento lembrou que, em alguns países, os empregos relacionados à reciclagem são insalubres e perigosos.
Segundo o documento, o Brasil emprega cerca de 500 mil pessoas no setor de reciclagem, enquanto nos EUA esse número é de 1,1 a 1,3 milhão, e na China, de 10 milhões.

Ban Ki-moon: tema não recebe a atenção que merece

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, observou que, apesar da sua importância fundamental, a água como um setor geralmente não recebe a atenção que merece.
“A água é fundamental para a sobrevivência humana, para o meio ambiente e para a economia”, destacou Ban, lembrando que a data é uma oportunidade para que todos possam aprender mais sobre questões relacionadas ao tema, serem inspirados a transmitir o conhecimento a outros e tomarem medidas que façam a diferença.
Ban Ki-moon destacou em sua mensagem que as pessoas com menos acesso à água e ao saneamento muitas vezes não têm acesso a cuidados de saúde e empregos estáveis, perpetuando o ciclo da pobreza.
“Estou especialmente preocupado com as lacunas entre as cidades e o campo, homens e mulheres, e ricos e pobres. O fornecimento básico de serviços adequados de água, saneamento e higiene em casa, na escola e no local de trabalho permite uma economia robusta, contribuindo para uma população saudável e produtiva, incluindo os trabalhadores”, disse o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.
O diretor-geral da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e atual presidente da UN-Water (ONU-Água, em português), Guy Ryder, comentou o relatório. “Essa análise destaca o fato de que a água é fonte de trabalho – ela exige dos trabalhadores a gestão hídrica segura e, ao mesmo tempo, ela pode gerar emprego e melhorar suas condições”, disse.


ENCERRANDO A SEMANA DO MEIO AMBIENTE


Um passeio ciclístico, o Eco Bike Solidário, vai marcar o encerramento da Semana do Meio Ambiente, em Campos. O evento vai acontecer no próximo dia 5 de junho…
CAMPOS.RJ.GOV.BR

VEM AÍ A SEMANA DO MEIO AMBIENTE 2016

A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Ambiental se prepara para em junho fornecer mais uma Semana do Meio Ambiente. Com isso, já estão abertas as inscrições para o 1° Fórum Municipal de Gestão Ambiental para Empresas Públicas e Privadas, que está fazendo parte da nossa programação na Semana nesse ano de 2016. A programação completa será disponibilizada em breve.

Vale ressaltar que as inscrições para o Fórum são gratuitas, e podem ser realizadas pelo portal da Secretaria no link que segue: 
http://www.meioambiente.campos.rj.gov.br/
Serão disponibilizados certificados aos participantes.

INSCREVA-SE JÁ!

domingo, 29 de maio de 2016

Estudo do governo dos EUA mostra efeito de mudança climática na saúde

O governo dos Estados Unidos publicou na segunda-feira (4) os resultados de um extenso estudo realizado durante três anos por várias agências federais que concluiu que a mudança climática terá efeitos nocivos para a saúde pública dos cidadãos americanos nos próximos anos.
O estudo determinou que vão ocorrer nos EUA 11 mil mortes a mais no verão de 2030 do que em relação aos atuais devido ao “calor extremo” e que, em 2100, o número de mortes adicionais pelas altas temperaturas chegará a 27 mil, caso não se realize um esforço “acelerado” para deter a mudança climática.
A Casa Branca também mencionou como exemplos dos perigos que a mudança do clima representa para os seres humanos o aumento das doenças transmitidas por insetos e a redução do valor nutricional dos alimentos.
“A necessidade de agir contra a mudança climática é muito explícita quando se olha para a saúde pública. Não se trata só das geleiras e dos ursos polares. É sobre a saúde de nossos filhos”, disse a administradora da Agência de Proteção do Meio Ambiente (EPA, sigla em inglês) dos EUA, Gina McCarthy, durante a apresentação do relatório.
Idosos e pobres – O documento aponta para a necessidade de se ir “além” dos acordos alcançados em Paris, em dezembro do ano passado, por quase 200 países em relação à luta contra a mudança climática, ao considerar que estes são insuficientes para evitar grande parte das consequências.
Segundo os pesquisadores, os efeitos da mudança climática sobre a saúde das pessoas vão além do que é imediatamente perceptível, já que, por exemplo, as inundações derivadas de tempestades cada vez mais fortes não causarão apenas prejuízos por si mesmas, mas também contribuirão para a expansão de doenças relacionadas com a água.
As altas temperaturas reduzirão o valor nutricional das colheitas e o aumento ainda maior da poluição atmosférica afetará a saúde das pessoas com asma.
Os efeitos da mudança climática serão sentidos em todas as camadas da população, no entanto, os grupos mais vulneráveis serão os idosos e as pessoas com poucos recursos econômicos. (Fonte: G1)

 Disponível em: http://noticias.ambientebrasil.com.br/clipping/2016/04/06/124208-estudo-do-governo-dos-eua-mostra-efeito-de-mudanca-climatica-na-saude.html?utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter
Grupamento Ambiental resgata tucano em cativeiro em Santa Maria

Um tucano da espécie Toco foi resgatado por guardas civis municipais do Grupamento Ambiental dentro de uma casa no distrito de Santa Maria, na Região Norte do município, nesta sexta-feira (20). O pássaro era mantido em cativeiro em uma casa abandonada, que foi demolida.

Os guardas civis municipais encaminharam o tucano ao Grupamento Ambiental Municipal (GAM), que registrou a ocorrência na 146ª Delegacia de Guarus. “Encaminharmos o tucano ao Núcleo de Estudos e Pesquisa em Animais Selvagem (Nepas) da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (Uenf). A ave foi avaliada como jovem, estava desnutrida e recebeu os cuidados veterinários adequados”, ressaltou o comandante do Grupamento Ambiental, Sávio Tatagiba.

- Fomos dar apoio à equipe da Defesa Civil para demolir o imóvel, que estava com a estrutura abalada, quando foram encontradas algumas gaiolas de madeira. Após buscas no local, conseguimos encontrar o tucano dentro de um contensor de pássaros - declarou o guarda civil municipal, Willian Gustavo.

Ao longo do último trimestre, 245 animais silvestres foram devolvidos ao seu habitat natural pelo Grupamento Ambiental Municipal, 209 aves, 22 mamíferos e 14 répteis. As aves são gaviões, corujas, papagaios, tizis, coleiros e canários da terra. Os mamíferos são gambás, ouriços cacheiros, tamanduás mirins e capivara. 

Os répteis são cobras jiboias e papa pintos; jabuti e cágados. Os animais silvestres resgatados no primeiro trimestre, no total são 140, sendo 99 aves, 35 mamíferos e seis répteis. Houve um aumento nas ações de mais de 150% em relação ao primeiro trimestre de 2015, quando foram atendidas 55 ocorrências.

O Grupamento Ambiental realiza um trabalho de prevenção de animais silvestres. No primeiro semestre de 2016, 134 ocorrências foram atendidas, sendo 41% resgates e apreensão de animais silvestres, 26% soltura de animais silvestres, 8% apoio a outros órgãos e secretarias, 7% maus-tratos a animais, 7% caça e pesca ilegais, 6% educação ambiental e 5% desmatamento e aterramento.

Em casos de denúncias ou surgimento de animais silvestres, a população pode entrar em contato através dos telefones 153 e 2733-7655.

De acordo com o artigo 29 da Lei 9605/98, é crime matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar espécies de animais silvestres, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente ou em desacordo com a licença obtida. A pena pode ser detenção de seis meses a um ano, além de multa.

Por: Aline Mendes (estagiária) - Foto: -  21/05/2016 12:23:52

Disponível em: http://www.campos.rj.gov.br/exibirNoticia.php?id_noticia=35855

sábado, 28 de maio de 2016

Reprodução da Veja online
Reprodução da Veja online


Ainda falta a homologação, mas as 132 páginas da delação premiada de Pedro Corrêa comprometem Lula de forma devastadora narrando inclusive conversas no gabinete presidencial onde teria se discutido abertamente a divisão de propinas do Petrolão. Vai complicar ainda mais a situação de Lula na Lava Jato. Ou seja, o sonho de Lula, como escrevi na última postagem de Lula vai ficando cada vez mais distante. 

FONTE BLOG DO GAROTINHO
Incentivos a práticas sustentáveis na construção civil são aprovados em comissão do Senado

predio-ecod.jpg

Projeto de Lei do Senado (PLS) 252/2015, que beneficia com incentivos fiscais a construção de imóveis dotados de medidas para melhorar o conforto térmico dos usuários, propicie a redução do consumo de água e maior eficiência energética, foi aprovado no dia 10 de maio. A ação foi tomada na Comissão do Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA). A proposta, agora, será analisada em Plenário.
Segundo o texto, a utilização de práticas sustentáveis de construção poderá ser incluída como diretriz da política urbana prevista no Estatuto das Cidades (Lei 10.257/2001). Para o projeto, as novas edificações de propriedade da União devem adotar medidas para a redução dos impactos ambientais, desde que sejam técnica e economicamente viáveis.
A proposta principal sugeria o uso de telhados verdes e de sistemas de aproveitamento de água de chuva. Entretanto, o relator do CMA, Jorge Viana (PT-AC), preferiu não apresentar exemplos das práticas de construção sustentável.
A medida é uma sugestão das então estudantes Ana Luiza Cabral Laet, Andrisley Kelly Pereira da Silva, Daniele Verza Marcon e Verônica Vicente Monteiro, na ocasião do Programa Senado Jovem Brasileiro 2013. A iniciativa seleciona estudantes de nível médio de escolas públicas para participar de uma simulação da atividade parlamentar no Senado.


Disponível em: http://www.ecodesenvolvimento.org/posts/2016/posts/maio/incentivos-a-praticas-sustentaveis-na-construcao

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Reprodução da Veja online
Reprodução da Veja online


Bem, pelo calendário do relator, senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) o parecer da comissão seria votado no plenário entre 1º e 2 de agosto. Porém a comissão especial do Senado deixou para o dia 2 de junho a votação do calendário proposto por Anastasia.




Com o atraso de uma semana na decisão da comissão, a votação do parecer deve ficar para o dia 7 de agosto. Basta maioria simples para o parecer ser aprovado. Hoje o cenário indica um parecer pelo impeachment com aprovação no plenário, mas até lá pode haver uma mudança do quadro. Na hipótese de aprovação em plenário de um parecer pelo impeachment, aí será marcada da sessão de julgamento final presidida pelo presidente do STF, Ricardo Lewandowski. Mas tudo indica que em agosto haverá a definição. 
País pode ter incentivos para dessalinização da água
A criação de incentivos para estimular a dessalinização de águas do mar e de fontes subterrâneas salobras pode fazer parte das diretrizes e objetivos da Lei Federal do Saneamento Básico. A medida é prevista em projeto de lei (PLS 259/2015) aprovado pela Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT) nesta terça-feira (17).
Agora a matéria seguirá para análise na Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA), em decisão terminativa. Se aprovada, poderá seguir diretamente para análise na Câmara, sem passar em Plenário, a menos que haja recurso assinado por pelo menos nove senadores.
A proposta, de autoria do senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), também determina que a União, na concessão dos incentivos, atribua prioridade a iniciativas que favoreçam o consumo humano na região do Semiárido nordestino além de localidades com escassez de água.
Com base em dados da Organização das Nações Unidas (ONU), Eunício Oliveira informa em seu projeto que 97,5% da água existente no mundo é salgada. Para muitas comunidades do Semiárido, a água subterrânea é salobra, inadequada para o consumo.
O autor explica ainda que, com o desenvolvimento tecnológico que está reduzindo o custo dos processos de dessalinização, chegou a hora de criar base legal para a criação de incentivos que possam aumentar a oferta de água potável no Brasil, especialmente no Nordeste, a região mais carente desse recurso.
O relatório do senador Eduardo Amorim (PSC-SE) considera importante a inclusão do incentivo à dessalinização entre as diretrizes estabelecidas na política federal de saneamento, estabelecida pela Lei 11.445/2007. Segundo ele, a medida é compatível com as necessidades de muitas regiões do país e pode ser útil ao desenvolvimento de tecnologias úteis para outras nações.
Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)
Disponível em: http://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2016/05/17/pais-pode-ter-incentivos-para-dessalinizacao-da-agua?utm_source=midias-sociais&utm_medium=midias-sociais&utm_campaign=midias-sociais


domingo, 22 de maio de 2016

Passo a Passo: Saiba como fazer um jardim vertical com pallets
Que tal reutilizar materiais? Aprenda o passo a passo de como usar pallets para fazer um jardim vertical. Sugestão simples que, além de contribuir com o meio ambiente, vai deixar sua casa muito charmosa.
theenmoyPallets
Os pallets são usados geralmente no transporte de cargas ou mercadorias e, assim como os caixotes de madeira, são feitos com madeira sem acabamento. Por isso, antes de usá-los é preciso, por exemplo, lixá-los. Antes de construir seu jardim vertical, é importante levar em consideração a quantidade de luz solar do local escolhido. Algumas plantas precisam de pelo menos 4 horas diárias de sol, enquanto outras necessitam de poucas horas de sol direto por dia.
Para criar um jardim vertical de pallet, confira abaixo o passo a passo que o Pensamento Verde preparou.
Você vai precisar de:
• Pallet;
• Lona de jardim;
• Lixa;
• Grampeador;
• Grampo;
• Martelo;
• Pregos;
• Terra para envasamento; e
• Plantas.
Passo a passo:
Primeiramente, lixe o pallet para eliminar possíveis imperfeições. Depois, veja se a parte de trás do pallet esta bem apoiada. Caso não esteja, pregue alguns pedaços de madeira com largura e espessura iguais às outras ripas. Utilize dois pregos para cada lado para fixar bem.
Corte a lona de forma que ela fique com um tamanho de duas a três vezes maior que o pallet e grampeie atrás, nas laterais e no fundo, tomando cuidado com os cantos. Dobre a lona de forma que a terra não se derrame. Coloque a estrutura em uma superfície plana e despeje a terra adubada através das ripas e pressione firmemente. Não se esqueça de deixar espaço suficiente para as plantas.
bunnyJardim vertical de pallet
Inicie o plantio pela parte de baixo do estrado, terminando no topo. Lembre-se de se certificar de que o solo está bem embalado. Se necessário, adicione mais terra para que as plantas fiquem bem firmes.
Por fim, regue o jardim completamente e deixe-o na horizontal, por um período de uma a duas semanas para que as plantas se enraízem bem. Depois desse período, o jardim poderá ser colocado na posição vertical. Lembre sempre de começar a regar seu jardim vertical pelo topo. As seções de cima precisam de mais água do que as seções de baixo, pois a água irá se infiltrar de cima para baixo.

 Disponível em: http://www.pensamentoverde.com.br/dicas

sábado, 21 de maio de 2016

Ecoponto recebe 7mil pneus por mês para reciclagem
 (Foto: Divulgação)
Cerca de 7 mil pneus são recebidos mensalmente no Ecoponto de Pneus, programa desenvolvido pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Ambiental. O projeto, lançado no ano de 2012, tem uma importante função ambiental e na área da saúde. Este trabalho evita que os pneus se transformem em criadouros para o mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zica e chikungunya.

O Ecoponto de Pneus funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, na Avenida Carlos Alberto Chebabe, s/nº, antiga Ceasa. Todas as segundas-feiras, a empresa responsável pelo trabalho, a Reciclanip, coleta os pneus recebidos na semana anterior. Os pneus são transportados para a cidade de São Paulo, onde é realizada a reciclagem, transformando-os em asfalto, adquirido por usinas.

- Recebemos 7 mil pneus por mês, a maioria de proprietários de borracharias, entre outras pessoas. Fazendo isso evitam que os pneus virem criadouros do mosquito Aedes aegypti, ajudando no combate à dengue, zica e chikungunya, e impedem também, a degradação do meio ambiente – disse o superintendente de Limpeza Pública, Carlos Morales.

Ele lembrou que cada pneu demora 600 anos para se decompor. Já os pneus que estão jogados em vias públicas são recolhidos pela concessionária Vital Engenharia Ambiental, pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) e durante os mutirões realizados pela Superintendência de Limpeza Pública.

Por: Thaisa Barreto (estagiária) - Foto: Divulgação -  02/05/2016 10:13:34

Disponível em: http://www.campos.rj.gov.br/exibirNoticia.php?id_noticia=35560
Câmara do Porto espera poupar 2,4 milhões de euros com alterações na gestão do lixo

O vereador do Ambiente da Câmara do Porto revelou hoje esperar poupar 2,4 milhões de euros com o fim da concessão da recolha de lixo, a municipalização dos resíduos recicláveis e a entrega dos indiferenciados a prestadores de serviços.

"Atualmente existe uma concessão de todos os serviços em 50% da cidade e a Câmara opera nos restantes 50%. Para a autarquia, o custo total destes dois serviços é de 11,3 milhões de euros. Vai passar a gastar, no máximo, 10,3 milhões ao externalizar a recolha de indiferenciados e a varredura. Globalmente, com todas as mudanças, a divisão municipal poupa, a partir de 2017, 2,4 milhões", descreveu Filipe Araújo, em declarações à Lusa.
A Câmara do Porto vota na reunião camarária de terça-feira a abertura de um concurso público internacional com vista a contratar prestadores de serviços de limpeza urbana e recolha do lixo indiferenciado e outra para criar uma empresa municipal para recolher resíduos recicláveis em toda a cidade.
Para esta "alteração de paradigma", a Câmara opta por não renovar a concessão de recolha de resíduos e limpeza, que estava em vigor há oito anos, termina no fim de 2016 e atribui a privados a varredura, a recolha de lixo indiferenciado e a operação relacionada com os resíduos recicláveis em 50% da cidade.
"No resto da cidade, tudo isso era feito pela Câmara. Agora, a Câmara vai tratar apenas dos recicláveis, mas em toda a cidade. Ao avaliarmos a poupança, temos de perceber que não são alterações diretamente comparáveis. Apesar disso, em 2017, com a criação da empresa municipal e o concurso público para a externalização de serviços, a Divisão Municipal de Limpeza Urbana vai registar uma poupança de 2,4 milhões de euros", esclareceu Filipe Araújo.
De acordo com o vereador do Ambiente, a decisão da maioria liderada pelo independente Rui Moreira baseou-se no estudo "de um ano e meio" da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.
A Câmara anunciou hoje na sua página da Internet que pretende "tornar o sistema mais transparente e operar uma redução dos custos, o que poderá vir a refletir-se na redução das tarifas aos munícipes".
Com a mudança, o município espera "aumentar a eficiência e limpeza da cidade" e alcançar uma diminuição de "mais de 10%" nos custos com a Recolha e Limpeza Urbana.
A autarquia divulga ainda estar a preparar "a criação de uma empresa municipal para o ambiente" que "trará ganhos de eficiência de recursos e poderá impulsionar uma maior libertação de pessoas para incorporar outras divisões" camarárias.
No final de 2014, 138 ex-trabalhadores camarários integrados desde 2008 nas duas empresas concessionárias da limpeza do Porto pediram para regressar à autarquia e foram readmitidos.
Na altura, o independente Rui Moreira, presidente da Câmara do Porto, disse que o município estava a negociar os contratos de concessão válidos até fim de 2016 para "ajustar os preços" do serviço e não se pronunciou sobre a possibilidade de municipalizar os serviços, cuja concessão começou durante o segundo mandato do social-democrata Rui Rio.
Com a alteração agora proposta, o município pretende transformar-se numa "referência nacional e internacional em termos de sustentabilidade nos resíduos, limpeza urbana e na reciclagem".
A CDU do Porto sempre se bateu pela municipalização dos serviços de limpeza e, numa das recomendações apresentadas sobre o assunto, em maio de 2015, alertava para uma despesa média anual com os serviços é "9,2 milhões de euros".
Em contraponto, os comunistas notavam que o valor indicado no início da concessão iniciada pelo anterior executivo era de "5,4 milhões de euros por ano".

sexta-feira, 20 de maio de 2016

Com o atual ritmo frenético de consumo exibido pelas sociedades, a gestão de resíduos é um árduo desafio. O ideal é que os resíduos produzidos não sejam simplesmente depositados em aterros, mas sim, aproveitados para outros fins.  Na cidade de São Paulo, por exemplo, apenas cerca de 2% de todo o lixo é aproveitado para a reciclagem. Existe, no entanto, outra cidade onde o cenário é completamente o oposto. Em Borås, no Sul da Suécia, 99% dos resíduos são reaproveitados.
Mas as coisas nem sempre foram assim. O Viskan, principal rio de Borås, já foi um local tão poluído que o mau cheiro incomodava quem precisava de passar perto dele. Hoje, contudo, a revitalização do Viskan é a prova de que a aplicação de projetos de educação ambiental é eficaz.
Na Suécia, cada cidade é responsável por desenvolver o seu próprio sistema de gestão de resíduos sólidos. O processo de gestão de resíduos elaborado porBorås é hoje uma referência mundial. A empresa de resíduos distribui, sem custos para os moradores, um saquinho branco e um preto. No preto, os moradores colocam o lixo orgânico (restos de comida e de jardinagem). No saquinho branco são colocados materiais inflamáveis (papel, plástico…). Estes sacos são recolhidos e vão para uma central de triagem, onde uma máquina, capaz de identificar as cores escura e clara, separa os saquinhos de forma automática.

Dröm resíduos lixo boras suecia
Os sacos pretos são destinados a um biodigestor, gerando gás natural, enquanto os brancos servem para alimentar caldeiras termoelétricas, produzindo eletricidade. Há ainda um terceiro destino para a colocação dos resíduos em Borås: os vidros, metais, pilhas e baterias são colocados pelos habitantes em postos de recolha, largamente distribuídos, que depois são encaminhados para uma central de reciclagem.
A gestão de resíduos nesta  cidade funciona tão bem que o município já importa toneladas de lixo de outros países para fazer o seu aproveitamento. Todos o transportes públicos usam o biogás como combustível. Já as centrais termoelétricas, permitem que os moradores reduzam para menos de metade a sua conta da luz. E estes são apenas alguns exemplos dos benefícios.
Mas afinal, como é que Borås conseguiu atingir esta marca invejável de mandar para o aterro apenas 1% de todo o lixo? Nada disso seria possível sem a colaboração dos habitantes. Uma estruturação perfeita do sistema não seria suficiente, se as pessoas não fizessem a devida separação dos seus resíduos. O Governo Sueco fez um enorme investimento em campanhas de consciencialização, estimulando a participação de todos. A Câmara de Borås experimentou interromper os projetos educativos por seis meses para ver se o sistema de gestão de resíduos seria alterado. A diminuição da participação da população na separação do lixo sofreu uma redução tão grande que as campanhas voltaram a ser implementadas com toda a força.
Borås é a prova viva de que é possível reverter o cenário de produção excessiva de lixo, basta vontade e organização!



quinta-feira, 19 de maio de 2016

Aproveitamento do pneu na construção civil
·         POR RICARDO RICCHINI

barreira de pneus
Pneus usados na construção: criatividade, conhecimento e uma tremenda vontade de ajudar o meio ambiente.
Galeria pluvial
Uma economia de R$ 54 mil foi possível com a utilização de pneus reciclados de caminhão na construção de uma galeria para escoamento de águas de chuva na avenida Juscelino Kubitschek e residencial Alvorada, em Araçoiaba da Serra. A Prefeitura empregou na obra o novo sistema, desenvolvido pela Secretaria Municipal de Obras, Agricultura e Meio Ambiente. As cintas metálicas dos pneus substituiriam tubos de concreto normalmente usados para a construção de galerias deste tipo, que estavam orçados em R$ 72 mil. Com o material reciclado, o custo caiu para R$ 18 mil, segundo a Prefeitura. As galerias têm uma extensão de oitocentos metros e foram concluídas em agosto. Parte dos pneus usados foi doada por uma empresa que trabalha com materiais recicláveis. Segundo o prefeito, “além de contribuir com a preservação do meio ambiente, os tubos de borracha são mais resistentes ao tempo do que os de cimento”.
O secretário Municipal de Obras, Agricultura e Meio Ambiente, explica que a técnica utilizada foi o uso de cintas metálicas unidas em tubos de um metro, por pressão. A própria terra em volta também comprime as cintas. Conforme testes, o material tem resistência para suportar o peso da terra e da pavimentação, por cima. O material alternativo poderá ser empregado na construção de outras galerias no município, diz o secretário, sendo uma solução econômica e ao mesmo tempo de interesse ambiental, pois garante o aproveitamento de pneus usados, que descartados na natureza, sem reciclagem, tornam-se um problema. Na região, outro exemplo de emprego de pneus usados em obras é em Porto Feliz. A Prefeitura utilizou-os na contenção das margens do córrego Pinheirinho, que atravessa a área urbana.
asfalto borracha
Muro de contenção utilizando pneus usados, no Córrego dos Entulhos em Fortaleza
Pneus no uso do asfalto
Asfalto enriquecido com borracha da reciclagem de pneus usados – o asfalto borracha – visa à conservação das estradas. A reutilização dos pneus, além de reduzir os custos de manutenção das rodovias, contribuirá para a preservação ambiental. O trabalho vem sendo executado pelo Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (DAER) do Rio Grande do Sul. O Secretário dos Transportes, o início dos testes foi no quilômetro 28 da RS/122 (junto ao Posto da Polícia Rodoviária Estadual de Bom Princípio).
Na Prefeitura Municipal de Bom Princípio será utilizado um equipamento especial: um veículo pesando 50 toneladas e medindo 25 metros de comprimento simulará o tráfego (simulador móvel de tráfego) numa rodovia. Os testes usualmente realizados utilizam pistas-testes e não estradas normais. Para permitir a comparação do asfalto-borracha com a massa asfáltica (CBUQ), o simulador será aplicado sobre os dois tipos de pavimentos. Depois da aplicação, os técnicos continuarão acompanhando a reação da pista com o fluxo normal do tráfego na rodovia. A nova tecnologia reduzirá os custos de manutenção e aumentará a vida útil das estradas e vai se constituir numa alternativa para o uso dos pneus usados, a exemplo do que já vem ocorrendo na Europa e nos Estados Unidos. O primeiro simulador de tráfego brasileiro foi desenvolvido e construído pela CMI-Cifali. O produto é um composto de asfalto de petróleo e borracha de pneu. Ao ser misturado com o agregado pétreo (Petróleo), dá origem à mistura asfáltica, comumente denominada de asfalto. No Brasil, sua primeira aplicação ocorreu em agosto de 2001, na Rodovia BR 116, no trecho Guaíba/Camaquã – RS.

Obra para incluir asfalto borracha na Estrada Japeri-Miguel Pereira – RJ
Paredes de pneus
Nas montanhas altas e frias do Chile alguns residentes acharam um meio de construir uma casa que é barata, confortável e muito chique. O material de construção usado foi: pedra local (prontamente disponível), pneus usados (também disponíveis e grátis), vigas de madeira e uma quantia pequena de cimento.
A construção de paredes com pneus reciclados é ideal para pessoas que têm acesso a poucos recursos, mas podem dispor de mais tempo para construir a própria casa. Para pessoas com menos tempo disponível, com mais recursos e contato com um arquiteto aberto e criativo, a casa pode ter um resultado muito interessante.

Disponível em: http://www.setorreciclagem.com.br/reciclagem-de-borracha/aproveitamento-do-pneu-na-construcao-civil/