Follow by Email

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Trapos velhos, roupa nova - ou a nova era em que tudo se transforma

Guarde as calças ou os lençóis que já não usa e entregue essa roupa numa loja – são várias as que pegam nela para lhe dar nova vida

A roupa velha (além de ser um prato que aproveita os restos do bacalhau cozido) é uma dor de cabeça. Qual a melhor forma de nos desfazermos dos trapos que já não usamos? Vão para o lixo ou dão-se a quem precisa? Entretanto, nasceu uma terceira hipótese: deixar as coisas em lojas. Umas dão vales, outras encarregam-se de distribuí-las por associações de solidariedade social.
A sueca H&M foi a primeira a arrancar com a ideia, em 2013. Desde então, já foram recolhidas 24 mil toneladas em todo o mundo. As trinta lojas portuguesas contribuíram com mais de 300 quilos para o valor total. Por cada saco entregue recebe-se um vale de cinco euros para utilizar numa compra superior a 30. Além de desviar os resíduos dos aterros, a H&M reutiliza e recicla os têxteis, dando-lhes novas roupagens e inserindo-as cada vez mais nas suas coleções (em 2015, dez modelos utilizaram algodão reciclado).
Esta marca associou-se à I:CO, empresa que divide a roupa em três categorias: vestir de novo, reutilizar e reciclar. No primeiro caso, entram no mercado de segunda mão, no segundo são transformados em produtos diferentes, como panos de limpeza, e os últimos passam a integrar fibras têxteis ou materiais isolantes.
A Zara também chegou a este mundo. Desde setembro que todas as lojas da marca em Portugal dispõem de um contentor onde se pode deixar a roupa velha. Quem o fizer, não receberá nada em troca, mas saberá que os trapos irão parar à Cruz Vermelha, que lhes darão o destino mais adequado – projetos sociais ou reciclagem, neste caso gerando novas matérias primas.
Já a Intimissimi recolhe roupa interior e dá vouchers por cada peça, que se podem acumular numa só compra. Um sutiã, por exemplo, vale três euros, enquanto que uns slips rendem um euro. Quem disse que velhos são os trapos, já se sabe, não era do tempo da reciclagem.

Disponível em: http://visao.sapo.pt/actualidade/sociedade/2016-11-01-Trapos-velhos-roupa-nova---ou-a-nova-era-em-que-tudo-se-transforma


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo sua participação e opinião !