Follow by Email

sexta-feira, 13 de maio de 2016

Berçário de árvores


Começam a sair de um viveiro em Magé, no Rio de Janeiro, as plantas que vão reflorestar a Mata Atlântica e proteger nossos rios. E o mais curioso é que são presos que tocam o projeto



O que quaresmeiras, suinãs e embaúbas têm a ver com a água que consumimos e bebemos diariamente? Tudo, ainda mais nestes tempos de crise hídrica no Sudeste. Trata-se de plantas típicas da Mata Atlântica que, a partir de pequenas mudas (dessas três e de outras 147 espécies), vêm sendo cultivadas, desde junho do ano passado, num enorme terreno em Magé, na Baixada (RJ). O objetivo é, depois de crescidas, transportá-las para o entorno de rios de todo o estado, dando mais vida às suas margens e garantindo, assim, a qualidade da água.

No fim de 2014, os primeiros exemplares foram plantados em volta do Guandu, em Seropédica. Logo depois, foi a vez de o Rio Macacu, na cidade de Cachoeiras de Macacu, receber o reforço verde. Hoje as mudinhas já estão virando árvores, e agora alguns riachos urbanos serão contemplados. O projeto, da Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae), segue firme, mas no início foi alvo de piadas apenas por um motivo: seria tocado por detentos. "Fui chamado de maluco", conta o técnico em saneamento Alcione Duarte, coordenador do Replantando Vida.

O nome do maior viveiro do projeto, com 300 000 metros quadrados, é Dorothy Stang, uma homenagem à missionária americana assassinada na Amazônia em 2005. Fica dentro do Presídio Estadual Marco Aurélio Vergas Tavares de Mattos. Ali, 180 homens, a maioria deles em processo de fim de pena, trabalham das 7 da manhã às 4 da tarde cuidando do "jardim".

Eles foram treinados por professores da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, e há uma contrapartida: a cada três dias de labuta, descontam-se 24 horas do tempo total da sentença. A concorrência é grande, e só os condenados de bom comportamento são chamados a contribuir com o projeto. A Cedae quer acelerar o ritmo da plantação e para isso está reivindicando a participação de mais 150 trabalhadores, também oriundos do sistema prisional. Se eles vierem, a meta será atingir, daqui a um ano, o cultivo de mais 1 milhão de plantas.

A quantidade, sem dúvida respeitosa, na verdade é uma gota d’água perto do oceano de problemas que envolvem as bacias hidrográficas fluminenses. Segundo cálculos do professor Paulo Leles, do Instituto de Florestas da própria UFRRJ, seria necessário, a cada ano, o plantio de cerca de 20 milhões de mudas, isso para dar início a um processo de restauração da mata apenas na área do Paraíba do Sul, o rio mais caudaloso e mais importante para o abastecimento dos fluminenses. Nesse ritmo, contando com mais quinze viveiros como o de Magé, seriam quarenta anos de atuação — mas os primeiros resultados viriam em vinte anos, a metade do tempo. "Tão importante quanto reflorestar é acompanhar o crescimento das mudas até que a natureza passe a domar o sistema", diz Leles.

Reflorestar a Mata Atlântica para preservar a qualidade da água não é preocupação recente. O precursor do tema foi dom Pedro II, que em 1862 determinou que o major Manoel Archer, com mão de obra escrava, iniciasse um processo de readequação do Maciço da Tijuca. Grandes plantações de café viram-se dizimadas, árvores foram replantadas ali e animais vieram de outros estados, justamente trazidos para compor um novo padrão de meio ambiente, o que fez nascer uma das maiores florestas urbanas do mundo. Assim, água na capital não faltou.

Hoje, além da empreitada da Cedae, há outras iniciativas que visam à proteção dos rios. Uma delas tem como foco as nascentes de cada córrego, onde, afinal, tudo começa — para o bem ou para o mal. Trata-se da campanha Água Limpa, do programa Rio Rural, da Secretaria Estadual de Agricultura. Acaba de ser alcançada a marca de 1.800 nascentes identificadas no estado e que já receberam ações de conservação. O objetivo é chegar, em 2016, a 2016 nascentes revigoradas — e essa brincadeira com os números do ano dos Jogos Olímpicos virou meta a ser cumprida.

É um projeto que depende da parceria dos produtores. Com recursos do Banco
Mundial, eles recebem uma verba que parte dos 7.000 reais e, apoiados por técnicos, cercam áreas onde os rios nascem, replantam as redondezas e afastam os animais. "Queremos que os agricultores adotem novas práticas sustentáveis", afirma o agrônomo Marcelo Costa, um dos coordenadores do Rio Rural, contando que é no noroeste do estado, em municípios como Campos, Cardoso Moreira e Natividade, que a adesão tem sido maior. A cidade campeã é Santa Maria Madalena, com 122 nascentes revitalizadas.

AS SEMENTES DA PROTEÇÃO

Números do Replantando Vida, com foco nas margens dos rios, e do Água Limpa, que trata das nascentes
- 150 espécies da Mata Atlântica são cultivadas no viveiro de Magé
- 1,3 milhão de mudas por ano é a capacidade de produção do viveiro dentro da prisão
- 300 mil mudinhas foram plantadas entre setembro de 2014 e abril de 2015
- 1 milhão de árvores é a meta a ser atingida entre setembro de 2015 e abril de 2016
- 180 presidiários atuam no projeto. O objetivo é praticamente dobrar esse número em 2016
- 27 quilômetros foi a extensão do replantio realizado no Rio Macacu
- 1800 nascentes estão sob proteção no Água Limpa. A meta é chegar exatamente a 2016 em 2016

Disponível em: http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/ambiente/bercario-de-arvores-veja-rio-858201.shtml?utm_source=redesabril_psustentavel&utm_medium=facebook&utm_campaign=redesabril_psustentavel

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo sua participação e opinião !